CUIABÁ

NESTA SEXTA

Coren realiza ato contra médico que chamou enfermeiras de ‘carniças’

Publicado em

CIDADES

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT) realiza nesta sexta-feira (5) uma sessão de desagravo público em Barra do Garças (509 km a leste de Cuiabá), em defesa de duas enfermeiras que foram ofendidas por um médico da cidade. O clínico geral chegou a chamar profissionais de enfermagem de “carniças incompetentes”.

A sessão solene será realizada no anfiteatro da Prefeitura de Barra do Garças, às 10 horas. O documento que será lido foi aprovado pelo Plenário do Coren-MT em defesa das enfermeiras que foram agredidas verbalmente pelo médico.

As profissionais denunciaram a conduta do médico Rafael Joviano Souza de Barros em relação à enfermagem que trabalha no Hospital Municipal e Pronto-Socorro Milton Pessoa Morbeck, em Barra do Garças. Ao ofender as trabalhadoras, o médico não apenas insultou as profissionais, mas também a categoria como um todo, que tem autonomia para tomar decisões na assistência aos pacientes.

No ocorrido em dezembro de 2020 o médico chamou uma enfermeira de “poço de preguiça” e ainda afirmou que a equipe era “um bando de incompetentes”. Já no caso denunciado em julho de 2021 o médico disse que os profissionais da enfermagem eram “carniças incompetentes” por negarem uma medicação que colocaria em risco a vida de uma paciente.

Leia Também:  Márcia Pinheiro coordena campanha que já distribuiu 70 mil cobertores

“Essa sessão solene é importante para defender a enfermagem e suas prerrogativas, porque não foram apenas as enfermeiras que foram ofendidas, mas sim a profissão da enfermagem. A enfermagem tem ciência própria e autonomia em todas as condutas quem envolvem a assistência de enfermagem. Repudiamos toda e qualquer ofensa à categoria, que está presente em todos os cuidados dos pacientes, independente da idade, sexo e classe social”, enfatiza a presidente do Coren-MT, Lígia Arfeli.

Essa é a segunda vez na história do Coren-MT que é aprovado um desagravo público. O primeiro caso foi registrado em 2017, em Aripuanã (1.002 km a noroestede Cuiabá), quando o enfermeiro Rodrigo Dornelles do Nascimento foi ofendido por quatro médicos no ambiente de trabalho.

Esse instrumento serve para resguardar a dignidade do profissional, protegendo não apenas o ofendido, mas toda a categoria. O desagravo é fruto da denúncia de um ou mais profissionais, que apresentam formalmente o caso ao Conselho, que escolhe um relator para analisar a questão. Depois do parecer do relator, a decisão é votada pelo Plenário do Coren-MT.

Leia Também:  SES confirma dois casos de Varíola do Macaco em Cuiabá
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

SES confirma dois casos de Varíola do Macaco em Cuiabá

Publicados

em

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) recebeu, nesta sexta-feira (05.08), o resultado positivo para dois casos de monkeypox vírus, popularmente conhecido como varíola dos macacos. Os dois casos envolvem homens residentes em Cuiabá, de 39 e 40 anos, que estiveram fora da cidade e apresentam sintomas leves da doença.

Ainda há a investigação de outros seis casos suspeitos em Mato Grosso, sendo dois em Várzea Grande, três em Rondonópolis e um em Sorriso.

As amostras para a confirmação dos casos são encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública de Mato Grosso (Lacen-MT) e direcionadas para o laboratório da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), unidade de referência nacional para a análise do material.

Sintomas e prevenção

Os principais sintomas da varíola dos macacos são linfonodos inchados, lesões na pele, febre, dor de cabeça, dores musculares e dores nas costas. Caso haja a manifestação destes sintomas, procure uma Unidade Básica ou de Pronto Atendimento.

Para a prevenção da doença, coloque em prática as medidas de biossegurança, como o uso de máscaras, distanciamento físico e higienização das mãos, e evite tocar em lesões ou compartilhar objetos com pessoas infectadas.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Bradesco é condenado a indenizar gerente que foi sequestrado em MT
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA