CUIABÁ

BALANÇO FENABRAVE

Comércio de carros novos diminui; venda de motos supera expectativa

Publicado em

ECONOMIA

Mato Grosso encerrou abril registrando queda na venda de veículos novos. De acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidos no mês 3.137 automóveis e comerciais leves, número 9,18% menor que o notificado no mesmo mês de 2021. Com relação ao mês anterior, a queda é de 4,13%.

A tendência decrescente na comercialização de veículos não se restringe ao Estado, uma vez que no cenário nacional, a queda ficou no mesmo patamar (-16,80%). Na contramão desse cenário, a venda de motocicletas cresceu 46,14% no comparativo de abril de 2021 e deste ano.

A linha em declínio de emplacamento de veículos no Estado vem sendo registrada desde o primeiro mês deste ano. Ao analisar a economia do setor de forma geral, o acumulado de janeiro e abril apresentou 1,26% de queda se comparado ao primeiro quadrimestre de 2021. O número dá a falsa sensação de estabilidade, o que não pode ser tomada como verdade absoluta. É o que frisa o presidente da Fenabrave-MT, Paulo Boscolo. “Automóveis despencou e motocicletas dispararam. Ônibus e caminhões apresentam crescimentos importantes também, mas com base em volumes relativamente pequenos”, salienta.

Leia Também:  Metade dos reajustes salariais negociados até outubro não repõe a inflação

Mesmo diante de um quadro negativo de vendas, há setores do comércio de veículos que comemoram, como é o caso das concessionárias de motocicletas. No acumulado de janeiro a abril do ano passado 9.222 motos foram emplacadas em Mato Grosso, quantitativo superado este ano, quando 10.806 novas motos foram comercializadas (17,18% a mais).

Caminhão e ônibus também superaram expectativas, sendo que, na ordem respectiva, apresentaram 31,27% e 54,35% de alta.  “Segundo mês seguido de crescimento forte em motocicletas: parece que as montadoras encontraram o caminho da retomada da produção e a demanda continua pressionando a produção. Em se tratando dos caminhões, o que se ouve dos colegas concessionários é que a produção de 2022 já está praticamente vendida”, diz o presidente da Fenabrave-MT. Ele ainda acrescenta o fato da oferta e procura continuar invertida.

Questionado sobre os fatores que colaboram para a queda nas vendas de automóveis, Boscolo destaca os mesmos motivos dos meses anteriores. “Lockdown na China e nos principais países fornecedores de componentes para a indústria do mundo inteiro. Associado a isso, as preocupações provenientes da guerra da Rússia e a volatilidade do mercado financeiro”, diz o presidente da Fenabrave-MT. Ele ainda acrescenta o fato da oferta e procura continuar invertida.

Leia Também:  Mato Grosso fecha o ano com 1,118 milhões de devedores

Para Edson Maia, diretor da Fenabrave-MT, que representa o segmento de automóveis e comerciais leves, “existe uma demanda que faria os números serem melhores, mas a produção caiu muito mais. Com isso, no mundo todo, o custo de montagem de um veículo ficou mais alto”.

Claudio Bagestan, que representa o segmento no interior de Mato Grosso. A demanda que existe está muito ligada às entregas represadas.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Bolsonaro altera regra sobre piso do frete pago a caminhoneiros

Publicados

em

O presidente Jair Bolsonaro (PL) editou nesta terça-feira (17) uma medida provisória que altera a lei que trata do tabela do frete pago a transportadores de carga.

A tabela do frete apresenta aos caminhoneiros valores mínimos de referência para o transporte de cargas, levando em consideração fatores que vão desde a remuneração do motorista, os gastos com seguro e as despesas com combustível.

Desde 2018, a lei previa a revisão semestral do valor do combustível considerado na tabela, além da revisão extraordinária desse custo sempre que identificado reajuste no preço do diesel igual ou superior a 10%.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, a medida provisória editada por Bolsonaro nesta terça estabelece que essa revisão extraordinária passará, agora, a ser feita sempre que identificado aumento igual ou superior a 5% no valor do diesel.

Em comunicado, da Secretaria-Geral da Presidência da República aponta que a mudança visa “atenuar o impacto da alta dos combustíveis sobre o setor de transporte rodoviário de cargas”.

A redução no “gatilho” para a revisão extraordinária da tabela do frete ocorre durante ano eleitoral e beneficia categoria que o presidente Bolsonaro identifica como parte de sua base de apoio.

Leia Também:  Informalidade eleva em 12,5% os tributos do mercado formal em Cuiabá

Além disso, ocorre uma semana após a Petrobras anunciar nova alta no preço do diesel e em meio ao aumento das criticas do presidente à empresa devido aos seguidos reajustes nos combustíveis.

Bolsonaro reclama do desgaste político que sofre devido à disparada nos preços dos combustíveis no Brasil e diz que não pode interferir na política de reajuste da Petrobras. Entretanto, promoveu mudanças, tanto no comando da empresa quanto no Ministério de Minas e Energia, após aumento de preços.

Mais recentemente, Bolsonaro e ministros do governo têm defendido a privatização da Petrobras.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA