CUIABÁ

DADOS DO IBGE

Inflação perde ritmo em abril, mas é a maior para o mês desde 1996

Publicado em

ECONOMIA

A inflação oficial de preços no Brasil avançou 1,06% em abril, após saltar 1,62% em março. Apesar da desaceleração, a alta é a maior para o mês desde 1996, mostram dados divulgados nesta quarta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com a primeira perda de ritmo depois de três meses, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Produtor) acumula alta de 4,29%, em 2022, e de 12,13%, nos últimos 12 meses, patamar acima dos 11,3% verificados no fechamento de março.

Com a manutenção da inflação em patamares elevados, o BC (Banco Central) já admite que o IPCA terminará 2022 acima do teto da meta pelo segundo ano consecutivo. O alvo do CVM (Conselho Monetário Nacional) para o índice é 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (de 2% a 5%).

Em abril, os principais impactos para a alta dos preços partiram dos grupos de alimentação e bebidas (+2,06%) e dos transportes (+1,91%). Juntos, os dois segmentos responderam por cerca de 80% da inflação.

Leia Também:  Gasolina sobe quatro vezes mais que o salário mínimo em 38 meses, desde o início de 2019

Entre os alimentos, a alta foi puxada pela elevação do consumo dentro de casa (+2,59%). No mês, houve alta de mais de 10% no leite longa vida e de componentes importantes da cesta de consumo das famílias, como a batata-inglesa (+18,28%), o tomate (+10,18%), o óleo de soja (+8,24%), o pão francês (+4,52%) e as carnes (+1,02%).

No caso dos transportes, a alta foi puxada, principalmente, pelo aumento nos preços dos combustíveis, que continuaram subindo (+3,2%), com destaque mais uma vez para a gasolina (+2,48%).

“A gasolina é o subitem com maior peso no IPCA (6,71%), mas os outros combustíveis também subiram. O etanol subiu 8,44%, o óleo diesel, 4,74%, e a ainda houve uma alta de 0,24% no gás veicular”, explica André Almeida, o analista da pesquisa.

Grupos

Os itens que fazem parte do grupo de saúde e cuidados pessoais também apresentaram variação significativa de 1,77% no mês. Já os artigos para residência estão 1,53% mais caros, segundo o IBGE.

A aceleração do grupo de saúde e cuidados pessoais ocorre, principalmente, pela alta observada nos preços dos produtos farmacêuticos (+6,13%), justificada pelo reajuste de até 10,89% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica.

Leia Também:  Comércio de Cuiabá e VG poderá funcionar no feriado de 12 de outubro

Além disso, houve alta também nos produtos de higiene pessoal (0,85%). Os planos de saúde, por sua vez, seguem com variação negativa (-0,69%), com reflexo do reajuste negativo de 8,19% aplicado pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) no ano passado.

O grupo habitação (-1,14%) foi o único a apresentar variação negativa em abril, devido à queda nos preços da energia elétrica (-6,27%). Ainda assim, foram registradas altas no gás de botijão (3,32%) e no gás encanado (1,38%).

“Houve mudança na bandeira tarifária, que saiu de bandeira de escassez hídrica, para bandeira tarifária verde, em que não há cobrança extra na conta de luz. Desde setembro do ano passado, estava em vigor a bandeira de Escassez Hídrica, que acrescentava R$14,20 a cada 100Kwh consumidos”, explica Almeida.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Bolsonaro altera regra sobre piso do frete pago a caminhoneiros

Publicados

em

O presidente Jair Bolsonaro (PL) editou nesta terça-feira (17) uma medida provisória que altera a lei que trata do tabela do frete pago a transportadores de carga.

A tabela do frete apresenta aos caminhoneiros valores mínimos de referência para o transporte de cargas, levando em consideração fatores que vão desde a remuneração do motorista, os gastos com seguro e as despesas com combustível.

Desde 2018, a lei previa a revisão semestral do valor do combustível considerado na tabela, além da revisão extraordinária desse custo sempre que identificado reajuste no preço do diesel igual ou superior a 10%.

Segundo o Ministério da Infraestrutura, a medida provisória editada por Bolsonaro nesta terça estabelece que essa revisão extraordinária passará, agora, a ser feita sempre que identificado aumento igual ou superior a 5% no valor do diesel.

Em comunicado, da Secretaria-Geral da Presidência da República aponta que a mudança visa “atenuar o impacto da alta dos combustíveis sobre o setor de transporte rodoviário de cargas”.

A redução no “gatilho” para a revisão extraordinária da tabela do frete ocorre durante ano eleitoral e beneficia categoria que o presidente Bolsonaro identifica como parte de sua base de apoio.

Leia Também:  Sine de Cuiabá oferece mais de 600 vagas de emprego nesta segunda-feira (14)

Além disso, ocorre uma semana após a Petrobras anunciar nova alta no preço do diesel e em meio ao aumento das criticas do presidente à empresa devido aos seguidos reajustes nos combustíveis.

Bolsonaro reclama do desgaste político que sofre devido à disparada nos preços dos combustíveis no Brasil e diz que não pode interferir na política de reajuste da Petrobras. Entretanto, promoveu mudanças, tanto no comando da empresa quanto no Ministério de Minas e Energia, após aumento de preços.

Mais recentemente, Bolsonaro e ministros do governo têm defendido a privatização da Petrobras.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA