CUIABÁ

EM DESTAQUE

Primeira-dama de MT, Virgínia Mendes, deixa elegância e trabalho social em evidência

Publicado em

MULHER

Divulgação

Em visita a capital de Mato Grosso para participar do Seminário Regional de Etnodesenvolvimento e Sustentabilidade, o presidente Jair Bolsonaro foi recepcionado pelo governador Mauro Mendes e pela primeira-dama do Estado, Virginia Mendes. O evento aconteceu no Hotel Fazenda Mato Grosso na manhã da última quinta-feira (19).

Elegante como sempre, Virginia Mendes se destacou em meio aos demais participantes ao utilizar um look predominantemente vermelho, desde a máscara, até o blazer e vestido que também tinha detalhes em azul.

A cor vibrante também foi utilizada no período da tarde em Brasília, onde Virginia Mendes cumpriu mais uma agenda, desta vez no Palácio da Alvorada, junto ao presidente Bolsonaro e a primeira-dama do Brasil Michelle Bolsonaro.

Além de comprovar que o vermelho valoriza sua beleza, Virginia Mendes se destacou tanto na elegância quanto na apresentação dos seus projetos sociais que ficaram em evidência durante a 3ª reunião do Aliança pelo Voluntariado. O encontro reuniu mulheres de todo o país, como as primeiras-damas estaduais, embaixadoras e esposas de ministros.

Leia Também:  Pinheiro constrói 30 travessias de concreto em 2021
COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

Defensoria Pública na defesa da Mulher

As dúvidas são recorrentes quanto às atribuições da Defensoria

Publicados

em

Imagem Internet

As dúvidas são recorrentes quanto às atribuições da Defensoria Pública na defesa das mulheres. O que faz a Defensoria Pública nesta função? Como é realizado o trabalho? Quem são as mulheres que podem fazer uso desse serviço?

A princípio, a Defensoria Pública era entendida como a Instituição a atuar na defesa dos hipossuficientes. Com o passar dos tempos, como não podia ser diferente, a Instituição passou a atuar na defesa dos vulneráveis e das vulneráveis (custus vulnerabilis), sendo promotora dos direitos humanos.

A compreensão quanto aos direitos humanos das mulheres vem acontecendo gradativamente e se firmando com o trabalho realizado pelo NUDEM (Núcleo de Defesa da Mulher), que atua em conjunto com os poderes, instituições, e entidades da sociedade civil que integram a rede de proteção à mulher, e vem sendo reconhecido de maneira positiva pela população.

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.

A atribuição da Defensoria Pública é ampla. Além da defesa processual, administrativa, realização de campanhas e palestras informativas, representação dos direitos humanos das mulheres, o atendimento à vítima é primordial para a segurança que necessita. A Defensoria Pública atua junto a conselhos de direitos e comissões, sendo elo junto a sociedade civil organizada.

De outro lado, dilucida o artigo 8º, da Lei Maria da Penha, como uma das políticas públicas de proteção à mulher, a integração operacional do Poder Judiciário, Defensoria Pública, Ministério Público e Poder Executivo na rede de defesa em prol da mulher vítima de violência doméstica.

Algumas mulheres costumam procurar o NUDEM, ou a Defensoria Pública que atua na defesa da mulher, antes mesmo de acionarem a polícia, a fim de terem a certeza de que estão sendo vítimas de violência doméstica e familiar. Na ocasião, as mulheres são orientadas sobre os seus direitos, e se descobrem no ciclo de violência doméstica na maioria das vezes. Um dos objetivos, também, é enfrentar as variadas violências a que estão expostas as mulheres nas ruas.

Leia Também:  Vereadores estão 'na bronca' com colegas por atraso para início das sessões

Os assédios e abusos sexuais fazem parte da rotina diária do universo feminino. Através de mutirões de atendimento, audiências públicas, seminários, videoconferências, lives e participação em reuniões estreitam-se laços sociais e atuações.

A mulher, em todo e qualquer relacionamento, íntimo de afeto ou não, é vulnerável. O contexto histórico e patriarcal, aliado à religiosidade, fazem com que elas mereçam atenção diferenciada, necessitando de ações e leis afirmativas a atuar em prol delas. E como negar o que é real? A violência contra a mulher existe não só dentro de casa, na forma de abusos físicos, patrimoniais, sexuais, psicológicos e morais, mas, também, na esfera institucional, obstétrica, situação prisional, racial, e por aí afora…

A violência também acontece na esfera institucional, quando um órgão ou agente público, no exercício de função pública, através de ação ou omissão, viola os direitos delas. A violência institucional se revela através de discriminações de gênero, raça e etnia. Podem ocorrer no âmbito da saúde, do sistema prisional, do sistema de justiça e das instituições de segurança pública. O que mais precisamos para o momento é que as mulheres possam conhecer os seus direitos, para que sobrevivam à violência, e possam ser as agentes de mudanças em suas vidas.

Leia Também:  Emanuel Pinheiro anuncia mudanças de secretariado para 2022

Em fevereiro do corrente ano, a Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso criou o GAEDIC Mulher, que se constitui em um grupo de atuação estratégica em direitos coletivos para atuar na defesa dos direitos humanos das mulheres em âmbito estadual. É composto por cinco membros: quatro defensoras públicas e um defensor público. A atuação estratégica exige a identificação de ações relevantes e convergentes em busca de novos horizontes.

Os números estão a demonstrar a necessidade de atuações neste sentido em prol da população. Não raras vezes é possível se deparar com situações a ‘ferir’ as mulheres como um todo.

É perceptível a importância da defesa da mulher exercida pela Defensoria Pública. A vulnerabilidade está a perseguir segmentos, tal como as mulheres.

O olhar diferenciado é premissa perseguida, mesmo porque, a Organização Mundial de Saúde – OMS – entende como epidemia a violência contra as mulheres, demandando o combate de forma eficaz. Convenções internacionais dilucidam a acuidade em se vigiar quanto à segurança e o acesso das mulheres à justiça. Enfrentar o machismo estrutural é questão a ser tratada, inclusive, como forma de prevenção e erradicação, principalmente sabendo que a intersecção de raça, classe, sexualidade e gênero estão a extrapolar barreiras.

Em defesa delas, sempre. A Defensoria Pública estará a postos no combate à misoginia e no amparo ao gênero feminino!

Rosana Leite Antunes de Barros é defensora pública estadual.

Fonte: MidiaNews

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA