CUIABÁ

VLT x BRT

‘Eu apoio o que for mais rápido’, diz prefeito de VG sobre troca de modal

Publicado em

POLÍCIA

Diante da indefinição sobre a substituição do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) para o Ônibus de Trânsito Rápido (BRT), o prefeito de Várzea Grande Kalil Baracat (MDB) defende o que sair mais rápido, uma que que a população sofre com esse impasse.

“Eu apoio o que for mais rápido para região metropolitana, que foi a mais penalizada por conta do VLT. Nós precisamos de uma definição urgente”, comentou.

As obras do Veículo Leve Sobre Trilhos começaram em 2012 há 10 anos, escoradas num projeto que prevê 22 km de trilhos divididos em duas linhas: uma que liga o aeroporto, na cidade de Várzea Grande, à Zona Norte de Cuiabá, e outra que liga a Zona Sul ao centro da capital. Contratado no governo do peemedebista Silval Barbosa, o consórcio responsável partiu de um orçamento inicial de R$ 1,477 bilhão. Deste valor, segundo informa a Secretaria Estadual das Cidades, R$ 1,66 bilhão já foram pagos.

Na terça-feira (17), o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE) rejeitou o recurso da prefeitura de Cuiabá contra a mudança de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para o Ônibus de Trânsito Rápido (BRT), no eixo Cuiabá- Várzea Grande.

Leia Também:  Gefron apreende mais de 105 quilos de cocaína

Na última quinta-feira (12), o Pleno do Tribunal de Contas da União (TCU) manteve a suspensão de todos os procedimentos administrativos relacionados a troca de modal.

“Até quando vai ficar esse imbróglio se demorar a ter uma definição? A população requer uma resposta imediata. Cuiabá não teve a obra, fecharam onde ia passar os trilhos. Agora, Várzea Grande não, continua pagando essa fatura alta. Eu não concordo”, disse ainda Kalil.

 

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Bolsonaro diz que Jesus Cristo “não comprou pistola porque não tinha”

Publicados

em

Em mais uma defesa do armamento da população, o presidente Jair Bolsonaro fez leitura conservadora da Bíblia e afirmou nesta quarta-feira que Jesus Cristo “não comprou pistola porque não tinha” na época em que viveu.

Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, divulgada nesta tarde por canais bolsonaristas na internet, o presidente resgatou um trecho bíblico para justificar sua tese. “Jesus os adverte: ‘Agora, porém, quem tem bolsa, pegue-a, assim como a mochila de viagem; e quem não tem espada, venda a própria capa e compre uma'”, diz, citando o capítulo 22, versículo 36 do Evangelho de Lucas.

Bolsonaro também teceu novas críticas ao ex-presidente Lula (PT), seu principal adversário nas eleições deste ano. “Para ele, fazer aborto é igual extrair um dente”, declarou aos apoiadores presentes.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Defesa pede ao STJ para revogar demissão de ex-secretário da Secopa
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA